Bio

foto Gilvan Barreto

Atualmente está em cartaz no monólogo As Sombras de Dom Casmurro, adaptação do clássico de Machado de Assis feita por Toni Brandão e dirigida por Débora Dubois, e também em turnê nacional com o espetáculo Caros Ouvintes, texto e direção de Otavio Martins.

Esteve em turnê nacional com o espetáculo Lampião e Lancelote, direção de Débora Dubois, adaptação de Braulio Tavares para o premiado livro de Fernando Vilela, com músicas compostas por Zeca Baleiro, prêmio Bibi Ferreira de melhor musical brasileiro, além de vários outros prêmios.

Recentemente interpretou o Dr. Rubens na novela das seis da Rede Globo, Joia Rara, de Thelma Guedes e Duca Rachid e direção geral de Amora Mautner.

Esteve ainda em 2013 em cartaz em São Paulo com Deus é um DJ, do alemão Falk Richter e direção de Marcelo Rubens Paiva. O projeto, onde assina idealização e coordenação artística, estreou no Oi Futuro Flamengo, no Rio de Janeiro, já passou pela mostra oficial do Festival de Curitiba e pelo Festival de São José do Rio Preto, e fez temporadas no MIS e no Teatro Jaraguá, em São Paulo.

Este ano esteve também ao lado de Bel Kowarick em Dueto Para Um, de Tom Kempinski, direção de Mika Lins, prêmio APCA de melhor atriz e Shell de melhor luz, que fez temporadas no Teatro Eva Hertz e Cit-Ecum em São Paulo, e Espaço SESC, em Copacabana, no Rio de Janeiro.

* * *

Nascido em São Paulo em 1973, formou-se técnico em Agropecuária pela UNESP Jaboticabal em 1991 e chegou a cursar dois anos de Agronomia na UNESP Botucatu. Em 1993, conheceu Roberto Freire (psiquiatra), que o ajudou a descobrir sua vocação de ator. Começou seus estudos de teatro em 1994 com o ator e diretor Gerson Steves na Oficina Teatral Mazzaropi, em São Paulo. Em 1995, ingressou na Escola de Arte Dramática (EAD), da Universidade de São Paulo (USP).

Seus primeiros trabalhos como ator foram ao lado da atriz e contadora de histórias Tecka Mattoso. No projeto Livro em Movimento, montavam espetáculos para espaços não-convencionais baseados em obras literárias, como O Rouxinol e a Rosa, de Oscar Wilde, e Luas e Luas, de James Thurber.

De seus trabalhos no teatro, destacam-se:

Cuidado: Garoto Apaixonado, que protagonizou sob a direção de Débora Dubois, ficando ano e meio em cartaz e sendo agraciado com os prêmios Mambembe e APCA de melhor espetáculo infanto-juvenil (Teatro FAAP, São Paulo, 1998);

Cabra: Épico de Canudos, de sua autoria, Melhor Texto Prêmio Nascente-USP/Editora Abril, em que também atuou, sob a direção de Georgette Fadel (Centro Cultural São Paulo, 1999);

Suburbia, direção de Francisco Medeiros (Teatro SESC Anchieta, São Paulo, e Teatro Nelson Rodrigues, Rio de Janeiro, 2000);

Hamlet, que protagonizou, com direção de Francisco Medeiros, assistido por mais de 40 mil pessoas (Teatro Popular do SESI, São Paulo, 2002);

O Retrato de Dorian Gray, que protagonizou e adaptou do romance de Oscar Wilde, com direção de Débora Dubois, assistido por mais de 70 mil pessoas (Teatro Popular do SESI, São Paulo, 2006).

Em 2010, esteve em turnê como ator em As Pontes de Madison, direção de Regina Galdino, com Marcos Caruso e Denise Del Vecchio, e dirigiu sua primeira peça, Os Visitantes, de Priscila Gontijo, que ficou em cartaz no Teatro Glaucio Gill, no Rio.

Participou do projeto Pode Entrar que a Casa é Sua, subsidiado pela Lei de Fomento ao Teatro do Município de São Paulo, em 2003/2004, como ator e coordenador da área de dramaturgia, que culminou em cinco solos apresentados no prédio do Arquivo Histórico Municipal, e concorreu ao prêmio Shell na Categoria Especial.

Estreou na televisão em 1998, no SBT, como protagonista da novela Fascinação, de Walcyr Carrasco, formando par romântico com a atriz Regiane Alves. Na TV Globo, fez participações em séries como Sandy e Júnior, Malhação e Mad Maria. Em 2011, fez o professor de Direito Hugo em Insensato Coração, novela da TV Globo escrita por Gilberto Braga e Ricardo Linhares com direção geral de Dennis Carvalho.

No cinema, atuou em Bellini e a Esfinge, dirigido por Roberto Santucci do livro de Toni Belotto, e Sonhos Tropicais, de André Sturm, ambos em 2002.

Desde 2000 se dedica também à prática de yoga. Passou três meses na Índia, coordenou o Espaço Nirvana, no Rio, e já teve dezenas de alunos em aulas e workshops de yoga. Fez preparação de atores para vários espetáculos e grupos, entre eles o Teatro Oficina e o Teatro da Vertigem, e direção de movimento de alguns espetáculos, como A Forma das Coisas, direção de Guilherme Leme, e O Enigma Blavatski, texto de José Rubens Siqueira e direção de Iacov Hillel.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s